Tabacaria Galvão

envie uma mensagem

Afinal, quem começou esta mania de fumar charutos?

Nós somos apologistas de um estilo de vida saudável, mas sabemos que há coisas que, de vez em quando, sabem bem - os charutos são uma delas. Quando e onde apareceram? Não sabemos precisar, mas sabemos que vêm do outro lado do oceano e pelo que dizem já existem há muitos milhares de anos.

Nós somos apologistas de um estilo de vida saudável, mas sabemos que há coisas que, de vez em quando, sabem bem e os charutos são uma delas. Quando e onde apareceram? Não sabemos precisar, mas sabemos que vêm do outro lado do oceano e pelo que dizem já existem há muitos milhares de anos. A origem deste produto não é consensual, mas reza a história que foi algures na América Latina que o ato de fumar surgiu. Naturalmente, cada civilização tinha o seu tipo de charuto e diferentes formas de o fumar, mas o uso deste estava conotado com momentos religiosos e de cerimónia. Todos nos lembramos do famoso Cachimbo da Paz. Quando falamos de charutos, os mais conhecidos são os cubanos, mas, segundo a revista "TIME", foi na Guatemala que se encontrou uma peça em cerâmica, onde estava representada uma figura Maya a fumar folhas de tabaco unidas em forma cilíndrica por uma corda e a isso chamava-se Sikar, que, ao que parece, significava, “fumar folhas de tabaco enroladas”. O consumo de charutos na Europa é justificado pela presença de Cristóvão Colombo na América Latina, que depois trouxe com ele o hábito de fumar tabaco, algo que se tornou popular em Portugal e Espanha. Entretanto, no século XVII, Espanha apercebeu-se de que Cuba era o local indicado para a produção de charutos, não só devido às suas condições climatéricas como à sua terra fértil. Contendo o monopólio de exportação deste produto, até 1817, o país ibérico controlou o comércio de tabaco proibindo os produtores cubanos de vender a outros que não os espanhóis.

O hábito de fumar tornou-se bastante popular em todo o mundo e, apesar de ser considerado prejudicial para a saúde, os charutos são em grande parte fumados em momentos de celebração, dando-lhes um estatuto mais festivo e menos vulgar do que o comum cigarro. Naturalmente, a motivação que o leva a fumar um charuto é subjetiva, mas ocasiões como os casamentos, aniversários, o nascimento de um novo membro da família, ou, até mesmo, o selar de um bom negócio podem ser tornados ainda mais especiais. Seleccionámos alguns rostos conhecidos que não abrem (ou abriam) mão de fumar um bom charuto. Seja da área da política como Winston Churchill, J. F. Kennedy, Jr., ou Che Guevara, cinema, como Jack Nicholson, ou Robert DeNiro, ou música como Jay-Z e Luciano Pavarotti, podemos ver que este gosto é transversal a diferentes os estilos e culturas.